Consumidor de Orgânicos

Brasil perdeu boa chance de promover sua riqueza alimentar nos Jogos Olímpicos

RuimRegularBomÓtimoExcelente (Dê sua opinião sobre essa matéria)
Rio, 13 de outubro de 2016.
feira RJ, Circuito Carioca, Essência Vital, Foto CI Orgânicos
feira RJ, Circuito Carioca, Essência Vital, Foto CI Orgânicos

O Brasil precisa incrementar, em nível global, a promoção de sua biodiversidade e riqueza alimentar. A constatação é de Sylvia Wachsner, coordenadora do Centro de Inteligência em Orgânicos (CI Orgânicos), da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA). Segundo ela, o saldo não é satisfatório quando se trata de alimentação saudável; e cita como exemplo os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

De acordo com a especialista, o País perdeu uma boa chance de promover seus alimentos, quando esteve no centro das atenções do mundo. “Desde o momento que o Rio de Janeiro foi escolhido para sediar os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, o foco das autoridades ficou limitado à infraestrutura, à mobilidade das pessoas e à preocupação em deixar um legado. Já os alimentos como divulgação de nossa brasilidade, como parte integral da saúde de sua população e dos atletas, não foram considerados prioritários”, observa.

Sylvia também comentou o balanço divulgado pelo programa Rio Alimentação Sustentável, que apoiou o Comitê Rio 2016 na viabilização da oferta de alimentos saudáveis e sustentáveis nas Olimpíadas e Paralimpíadas. “De um total de 14 milhões de refeições servidas para atletas e mídia durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, somente 200 mil foram vieram da agricultura familiar do Estado do Rio de Janeiro. Isso é muito pouco”.

A coordenadora do CI Orgânicos disse que nos cardápios de alimentação dos atletas, pouca importância foi dada à riqueza gastronômica, à biodiversidade e à produção nacionais: “Nas arenas esportivas, os food trucks comercializavam comida rápida (fast food), com produtos calóricos, pouco diversificados e pouco identificados como saudáveis e nutricionais”.

EXEMPLO DE EXPERIÊNCIA

Apesar das críticas, a especialista acredita que o País pode implementar ações para agregar gastronomia, diversidade produtiva, tradição, cultura, valorização da produção local e dos agricultores, e promoção pública.

“Um caso emblemático desse gênero é o Peru, considerado por muitos especialistas como uma das melhores experiências gastronômicas do mundo. A variedade culinária, os aromas, a originalidade e a riqueza alimentícia são temas sempre ligados a esse país. Os turistas visitam o Peru para degustar os alimentos. Diversos produtos da biodiversidade peruana, orgânicos e convencionais, considerados superalimentos como a maçã, a sacha-inchi, o camu-camu, etc. são exportados”, ressalta.

FEIRAS

No Brasil, um país turístico por natureza, as feiras gastronômicas contribuem para reforçar a importância de nossa riqueza alimentar. De acordo com a coordenadora do CIOrgânicos, as feiras são alguns dos caminhos para divulgar a produção brasileira.

“Elas aproximam consumidores, chefes e produtores e levam em consideração aspectos da sustentabilidade ambiental na produção dos alimentos. As pessoas aprendem com os chefes como utilizar os alimentos orgânicos na preparação dos pratos e acabam com o mito de que os orgânicos requerem maior conhecimento culinário para sua preparação. As feiras abrem espaço para que os produtores e os chefes conversem e troquem conhecimentos”, destaca Sylvia, que também chama a atenção para os investimentos em pesquisas no setor.

“Devemos focar em pesquisas que permitam colocar no mercado, a preços acessíveis, alimentos saudáveis, de boa qualidade e nutricionais”.

Por equipe SNA/RJ, 11.10.2016

fonte: SNA

Deixe o seu Comentário:

Boletim de notícias

Cadastre-se e receba novidades.