Consumidor de Orgânicos

Startup Liv Up engorda aporte e rodada chega a R$ 230 mi

RuimRegularBomÓtimoExcelente (Dê sua opinião sobre essa matéria)
Rio, 24 de setembro de 2021.

Apesar do “chorinho”, os planos da Liv Up continuam os mesmos. Depois de chegar ao mercado em 2016 com refeições congeladas, a foodtech tem focado na expansão do portfólio de produtos: desde o início de 2021, a Liv Up ampliou seu cardápio de 200 para 500 itens e planeja ultrapassar a marca de 1000 até o fim do ano. A ideia da empresa é se tornar um grande supermercado digital de comida saudável.

“Levantamos esse aporte adicional mais pela parceria estratégica com a Globo Ventures do que pelo capital em si. Com a rodada de R$ 180 milhões, já tínhamos o dinheiro que precisávamos para nossos projetos”, afirma Gabriel Eisencraft, diretor financeiro da empresa, ao Estadão. “Vamos seguir com a expansão do portfólio e o Grupo Globo também nos ajudará com estratégia de mídia em um momento em que queremos alavancar nossa comunicação”.
 
O cheque de R$ 180 milhões anunciado em junho foi liderado pela Lofoten Capital, que já investiu em empresas como Loggi e Robinhood. Participaram também investidores como Rob Citrone (fundador da Discovery Capital), Milton Seligman e Ricardo Rolim (ex-executivos da Ambev), e Christian Egan (ex-Itaú) – fundos que já investiam na startup, como ThornTree Capital Partners e Kaszek, acompanharam o aporte.
Além da operação de marmitas congeladas, que atende atualmente 50 cidades brasileiras, a Liv Up oferece delivery de saladas e pizzas com produtos naturais e orgânicos. A startup também lançou recentemente em São Paulo uma divisão de produtos de mercado como hortifruti, açougue, peixaria e laticínios – esse serviço deve chegar ao Rio de Janeiro em outubro e para novas cidades em 2022.

Para oferecer os alimentos, a foodtech conta com uma rede de produção orgânica e familiar de aproximadamente 40 produtores parceiros. Segundo Eisencraft, parte dos novos recursos também será usada para investir em tecnologia na logística, como no aprimoramento de algoritmos de roteirização das entregas – a Liv Up afirma entregar hoje cerca de 400 mil refeições mensalmente.

O mercado de alimentos saudáveis e orgânicos está na mira das foodtechs. Outro nome brasileiro no setor é a Raizs, que oferece cestas de orgânicos por assinatura ou por compra diretamente no site. Criada em 2016 em São Paulo, a startup vem triplicando de tamanho todos os anos.

Fonte: Exame

Esclarecimentos CI Orgânicos a respeito da legislação sobre alimentos com insumos orgânicos.

De acordo com a lei, não podem ser certificados como orgânicos produtos que tenham menos de 70% de seus ingredientes classificados como tal. Entre  70% a 95% de ingredientes orgânicos o rotulo do produto deve identificar os ingredientes e  apresentar os dizeres: “Produto com Ingredientes Orgânicos” e levar o selo de certificação.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga no Instagram @ciorganicos

🌎 Principal fonte de inteligência sobre a cadeia produtiva de alimentos saudáveis e produtos orgânicos.

Boletim de notícias

Cadastre-se e receba novidades.