Produtor

Ex-piloto de F-1 faz de fazenda da família uma incubadora de sustentabilidade

RuimRegularBomÓtimoExcelente
Rio, 26 de novembro de 2018.
Pedro Paulo Diniz, fundador da Fazenda da Toca, posa para foto em sua propriedade em Itirapina (SP). Foto: Renato Stockler (Folhapress)

Era de moto de enduro que aos 10 anos ele explorava os campos e a gruta da Fazenda da Toca. “A motinha era meu cavalo”, brinca Pedro Paulo Diniz, ao rememorar temporadas na propriedade rural da família em Itirapina, a 217 km de São Paulo.

O refúgio da infância ficou na memória, quando a paixão pela velocidade levou o filho do empresário Abílio Diniz (presidente do Conselho de Administração da BRF, ex-Pão de Açúcar) para os circuitos de automobilismo mundo afora, dos 19 aos 30 anos.

Aos 25, chegou à elite do esporte, no papel de playboy da F-1, circulando de Ferrari pelo Principado de Mônaco e em festas da top Naomi Campbell.

Aos 48, Pedro Paulo se empolga com bólidos nada velozes, como a plantadeira da John Deere que semeia feijão na nova fazenda de Diniz e sócios, em Avaré (SP). “São máquinas autônomas e de precisão que têm a melhor tecnologia agrícola para nosso propósito de trabalhar junto com a natureza”, empolga-se o sócio também da Rizoma.

O novo negócio foi criado neste ano para levar a 1 milhão de hectares no Brasil o modelo que associa agricultura, pecuária e floresta. “Precisamos sair de um paradigma de escassez, de competir por recursos naturais, para um de abundância”. Não se importa de ser tachado de “Poliana” ao apostar numa agricultura que regenera o planeta, em vez de destruí-lo. “Acredito nisso”, afirma.

Seu cartão de visitas é a Toca, a primeira fazenda certificada como Empresa B no mundo, ao se consolidar como negócio de impacto positivo.

Ali, o fazendeiro que quer promover a revolução verde do século 21 agrega produção em larga escala de ovos orgânicos (detém 48% do mercado brasileiro) e sistemas agroflorestais de cítricos, grãos, eucalipto, alimentos e frutas.

Ao lado de um campo de golfe e de uma pista de polo que servem ao lazer dos Diniz, a Toca virou incubadora de um modelo inovador de agricultura que imita a natureza (segue a lógica da floresta reunindo na mesma área plantio de diferentes culturas), regenera o solo e abole agrotóxicos (faz controle biológico de pragas).

Como piloto de uma corrida de longa distância por uma agricultura mais sustentável, Pedro foi incorporando o propósito ao seu estilo de vida e aos investimentos como herdeiro de Abílio Diniz, nono entre os brasileiros mais ricos da Forbes, com fortuna estimada em US$ 3,5 bilhões (R$ 12,98 bilhões).

“Tenho muito orgulho do Pedro e do que se transformou a Fazenda da Toca, que está com nossa família desde 1970 e se tornou um modelo de sustentabilidade no Brasil e no mundo”, diz o patriarca.

O espírito empreendedor da família foi escola. “Foi virtude e desafio”, resume Pedro, referindo-se ao duro processo de validar o modelo de negócio.

Numa tentativa de dominar toda a cadeia, abriu fábricas de laticínio e sucos, que eram deficitárias. “Tive que voltar atrás e simplificar o negócio”. Foi forçado a demitir um terço dos funcionários e ganhou fios brancos na cabeleira precocemente grisalha. Passou a focar na produção de ovos orgânicos para sair do prejuízo. “Hoje a Toca virou um bom negócio em três pernas: social, ambiental e financeiro”.

Na Fazenda da Toca, as galinhas são criadas soltas. Foto: Renato Stockler (Folhapress)

Prefere ser “guardião deste tripé” à vida nos circuitos da F-1, onde estreou por uma equipe menor, com as bênçãos do pai que, no começo, torceu o nariz para a decisão do filho de correr na Europa em vez de cursar faculdade.

“Como piloto, vivi um ambiente de glamour, mas de relações superficiais e competitivas. Eram muitos egos, me relacionava com personagens, e não com pessoas de verdade”.

Ele se orgulha dos cinco anos de F-1, mesmo sem resultados expressivos. Seu melhor momento foi liderar uma corrida em que quebrou antes da bandeirada final. “Depois que passou o deslumbre e a excitação, aquele circo não me deixava mais feliz”.

No caminho, acidentes graves, entre eles um na largada do GP da Alemanha, em 1998, quando capotou a Sauber a 200 km por hora e saiu ileso. Em Silverstone, na F-3 inglesa, fraturou uma vértebra, a C-5. “Deu para remendar”.

O ex-piloto fez sucesso mesmo no ramo da alta gastronomia. Há 11 anos, tornou-se sócio investidor do Maní, que, desde 2013, integra a lista dos 50 melhores restaurantes do mundo.

O negócio surge quando a modelo Fernanda Lima convida Pedro, com quem teve um breve namoro, para abrir um restaurante vegetariano em São Paulo, com três amigas. “Era a gangue das gaúchas querendo fazer um restaurante vegetariano”, relata ele, sublinhando a origem sulista das sócias, mais condizente com churrascaria. “Aquilo não podia dar certo”, brinca.

Deu mais do que certo. A ideia evoluiu para um menu que privilegia alimentos orgânicos e naturais, comandado por Helena Rizzo, melhor chef do mundo em 2014.

A abstinência de carne vermelha está com dias contados. “A maioria da carne que se consome tem contaminação de hormônios e antibióticos. Vou consumir de novo quando souber a procedência”, diz Pedro. No caso, rebanho de fazendas da Rizoma.

Com 1,74 m e 61 kg, o mesmo peso de quando era piloto, ele malha e faz ioga três vezes por semana. É adepto da Ashtanga. “Tem sequência fixa e posso praticar onde for”, explica.

Ele namora há um ano Aline Fernandes, professora de ioga com 22 mil seguidores no Instagram. Um perfil recheado de posturas em paisagens espetaculares e dicas de saúde e beleza. “A natureza sempre nos guia na direção da cura, do amor, da conexão e da felicidade”, postou a ex-modelo.

Pedro diz que a ioga foi o fio que o levou de volta para a Toca e aos negócios de impacto socioambiental.

“Pratico desde 2003 e daí fui puxando essa cordinha de vida mais saudável”. O ex-piloto também pedala muito. É de bicicleta elétrica que chega à sede da Rizoma, um coworking na Vila Madalena. “De carro levo 10 minutos. De bike, 3”, compara o dono de um BMW elétrico, que não o deixou a pé na greve dos caminhoneiros. “Era só ligar na tomada”.

Vive em um prédio sustentável no bairro alternativo. “Quando morava nos Jardins, me sentia enjaulado em casa, cercado de muros e alarmes. Não conhecia o vizinho”, relata.

Voltou a residir em SP após o divórcio de Tatiana Floresti, com quem embarcou na aventura de construir uma vida na Toca. Mora a 200 metros da ex-mulher, com quem foi casado por dez anos. Compartilham a guarda dos dois filhos, Pedro, 12, e Catarina, 10, criados no meio do mato, estudando na escola na fazenda, junto com filhos dos funcionários.

Quando o primogênito nasceu, Pedro estava sob o impacto do documentário “Uma Verdade Inconveniente”, de Al Gore. “Que mundo vou deixar para esse moleque? O filme reforçou mais o desejo de investir em negócios sustentáveis. ”

O ex-piloto quer deixar um legado para além da família, da Toca e do Brasil. Define-se como facilitador entre o homem, a natureza e o mercado. “Digo aos meus filhos que papai adora trabalhar junto com a natureza e vê-la prosperar fazendo bons negócios que ajudam a regenerar o planeta”.

Fonte: Folha de São Paulo – Eliane Trindade 

 

Deixe o seu Comentário:

Boletim de notícias

Cadastre-se e receba novidades.