Produtor de Orgânicos

O que a forte recepção do IPO da Vital Farms significa indústria orgânica?

RuimRegularBomÓtimoExcelente (Dê sua opinião sobre essa matéria)
Rio, 25 de agosto de 2020.
Foto: Vitalfarms, divulgação.

Se há uma coisa que aprendemos com o IPO da Vital Farms é que os investidores públicos têm um grande apetite por alimentos orgânicos e cultivados de forma responsável. IPO (Initial public offering) é a primeira oferta pública de ações de uma empresa na bolsa de valores.

Na sua estreia na Nasdaq, a Vital Farms, produtora de ovos orgânicos de aves criadas soltas, com sede no Texas nos Estados Unidos, entrou com um pedido de arrecadação de aproximadamente US$ 125 milhões, com um IPO na faixa de US$ 15 a US$ 17 por ação.

Com a demanda tão forte, os bancos de investimento que subscreviam o negócio, incluindo Goldman Sachs e Morgan Stanley, decidiram aumentar essa faixa, precificando as ações em US$ 22 por ação, o que rendeu à empresa US$ 205 milhões em receita.

Ao final do primeiro dia de negociação, as ações fecharam com um ganho de 60%, com a empresa valendo US$ 1,38 bilhão.

Quando se compara esse valor de mercado com o lucro da empresa em 2019, percebe-se que a empresa está negociando a 431 vezes o lucro líquido obtido no ano passado.

“Fundamentalmente, a Vital Farms é impulsionada pelo crescimento. A empresa tem experimentado um crescimento de 30 a 40% nos últimos anos e tem escala real. Além disso, não há muitos investimentos públicos que se encaixem neste perfil de ingredientes orgânicos”, disse Jonathan Hodson-Walker, sócio-gerente da Silverwood Partners.

Para Nick McCoy, cofundador e diretor administrativo da Whipstitch Capital, “não existem muitas empresas de cadeias de suprimentos sustentáveis com ações negociadas publicamente. Além disso, várias instituições têm resultados financeiros duplos, e este IPO teve uma reação muito forte desses fundos”.

Permanece a questão de qual será o impacto esse IPO de sucesso sobre outras marcas de alimentos orgânicos que buscam abrir o capital.

“Tudo depende do crescimento e da repercussão de uma marca nos consumidores”, explicou Jonathan Hodson-Walker. “Se uma empresa está faturando US$ 10 milhões e crescerá para 12 milhões, ela não abrirá o capital. Se você tem um negócio de receita de US$ 50 milhões que está crescendo para US$ 80 milhões, o que seria pequeno para um IPO, este pode ser um candidato”.

Seja por meio de uma IPO ou de uma fusão com uma SPAC (em português, empresas de aquisição de propósito específico), os investidores públicos estão voltando maior atenção para os orgânicos, já que a covid-19 ajudou as pessoas a entenderem como esses alimentos estão desempenhando um papel fundamental na boa saúde e na função imunológica.

Fonte: Living Maxwell, Newsletter

Deixe o seu Comentário:

Boletim de notícias

Cadastre-se e receba novidades.