Produtor de Orgânicos

Embrapa: Soja hortaliça, nova opção para agricultores familiares orgânicos

RuimRegularBomÓtimoExcelente (Dê sua opinião sobre essa matéria)
Rio, 23 de março de 2020.
Edamame, foto GreenMe

Uma nova opção de hortaliça orgânica começa chegar às feiras cariocas. A soja hortaliça, conhecida por edamame, já está sendo testada e comercializada por agricultores familiares orgânicos do estado do Rio de Janeiro. Os testes de cultivo no RJ da soja brasileira BRS 267 desenvolvida pela Embrapa para o consumo humano como hortaliça foram iniciados em 2017 com bons resultados em solos fluminenses.

Para estimular e ampliar essa cadeia produtiva, a Embrapa realizou, no dia 15 de março, o Dia de Campo da Soja Hortaliça, em Guapimirim, município da região metropolitana do RJ, com a participação de cerca de 20 pequenos produtores rurais, técnicos e extensionistas.

No mundo, existem mais de 3 mil variedades de soja. No Brasil, elas são normalmente produzidas como commodity em grandes propriedades rurais. Atualmente, o edamame comercializado em território nacional é importado da China.

As equipes da Embrapa Soja, Embrapa Trigo, Embrapa Agrobiologia e seus parceiros UFRRJ e Pesagro, lideradas pela equipe da Embrapa Agroindústria de Alimentos, vêm trabalhado no fomento e pesquisa do produto brasileiro, com enfoque de cadeia de produção,  objetivando o cultivo orgânico, com parceiros como a Associação de Agricultores Biológicos do Estado do Rio de Janeiro (ABIO).

Pequenos produtores rurais dos municípios de Guapimirim, Magé, São José do Vale do Rio Preto, Cachoeira de Macacu e Itaguaí participam de testes de campo e de processamento artesanal da soja hortaliça.

“Os produtores logo percebem que é um bom negócio, pois o plantio ocorre em um período de entressafra de hortaliças. Há uma janela de oferta interessante e colhe um produto com alto valor agregado. É a oportunidade de diversificar a oferta de produtos orgânicos e agroecológicos para seus clientes”, afirmou Luiz Henrique Teixeira, técnico da ABIO.

Quem está muito animada com o cultivo e comercialização da soja hortaliça é a agricultora familiar Maria Helena de Souza, que abriu, com o marido José Luiz de Almeida, do Sítio Santo Expedito, em Guapimirim, a sua propriedade para o Dia de Campo realizado pela Embrapa. “É gostosa, sustenta, e estou colocando nas cestas orgânicas, em pacotinhos de 300 gramas, que comercializo no Rio de Janeiro. Os clientes adoram”, atesta.

Soja hortaliça cultivada no estado do Rio de Janeiro – Foto: Aline Bastos/Embrapa

Dia de Campo em Guapimirim

O Dia de Campo da Soja Hortaliça foi divido em três estações. A primeira estação abordou a contribuição da soja BRS 267 para a sustentabilidade da agricultura familiar orgânica no estado do RJ.

“É o segundo mercado consumidor do país, multiplicador de hábitos alimentares e berço da agricultura familiar. A soja hortaliça tem se mostrado adequada para pequenas produções, artesanais, orgânicas, plantada em uma área livre de transgênicos como o nosso estado”, assinala o pesquisador Fénelon do Nascimento Neto, da Embrapa Agroindústria de Alimentos.

Outra vantagem apontada pelo pesquisador é a adoção da soja hortaliça em circuitos curtos de comercialização, do campo à mesa do consumidor.

Na segunda estação, os participantes puderam avaliar a produção de soja hortaliça BRS 267 no campo. A pesquisadora Claudia Pozzi Jantalia, da Embrapa Agrobiologia, explicou como fazer o processo de co-inoculação das sementes com bactérias selecionadas no Brasil, para fixar o nitrogênio e estimular o crescimento das raízes das plantas.

“O processo de simbiose entre planta bactéria é como uma fábrica natural de nitrogênio, promove um crescimento vegetal vigoroso, por fixar o nitrogênio do ar. Esse nutriente é fundamental para produção de proteína da leguminosa, o que ocorrera sem adição de fertilizantes”, acrescentou a pesquisadora.

A inoculação de bactérias para fixação de nitrogênio é uma prática já utilizada no Brasil há mais de duas décadas na produção de soja, com ganhos anuais da ordem de bilhões de reais para o agronegócio brasileiro. A ideia é trazer o modelo para o cultivo orgânico da soja hortaliça, e os testes iniciais realizados na região fluminense indicam bons resultados.

“A soja BRS 267 tem sido bem resistente ao estresse hídrico e outras características das regiões avaliadas, . E os benefícios da inoculação com bactérias também estão sendo verificados em pequenas produções orgânicas”, destacou Claudia.

A terceira estação do Dia de Campo abordou o preparo de edamame, da soja hortaliça, para o consumo. A pesquisadora Renata Torrezan orientou sobre os cuidados na retirada e seleção das vagens e sobre a correta lavagem e higienização.

Já a pesquisadora Ilana Felberg falou sobre a necessidade de cozimento antes do consumo, do tempo e as formas de cozimento e também orientou quanto ao resfriamento e uso de temperos para o consumo. Ao final, a soja hortaliça colhida no campo foi degustada e seu sabor aprovado no Dia de Campo.

O secretário municipal de Agricultura, Pecuária e Pesca de Guapimirim, André Azeredo, esteve informou que a prefeitura dará apoio ao cultivo da soja hortaliça. “Estamos de portas abertas para apoiar o plantio da soja hortaliça em nosso município. Vamos dar todo o suporte técnico para estimular o seu cultivo e comercialização em feiras de agricultores familiares.”

Fonte: Embrapa Agroindústria de Alimentos

Deixe o seu Comentário:

Boletim de notícias

Cadastre-se e receba novidades.