Produtor de Orgânicos

Crescem os investimentos nas empresas disruptivas de alimentos, Foodtechs

RuimRegularBomÓtimoExcelente (Dê sua opinião sobre essa matéria)
Rio, 4 de novembro de 2019.
foto: site Plenty

As tendências que moldaram, na ultima década o setor de alimentos e bebidas representaram, em grande parte, a resposta da indústria ao crescente escrutínio e demandas dos consumidores sobre a procedência e a qualidade de seus alimentos. Muitas decisões de compra estão impulsionadas pelos valores pessoais dos consumidores e sua resposta à crescente preocupação social, ambiental e de saúde que visam, principalmente, produtos de origem animal. Assim alimentos que possuem reivindicações relacionadas a um menor impacto ambiental, melhoria da saúde ou produção ética / social viraram mais populares apesar de, muitas vezes, representar opções mais caras.

Esse aumento do interesse do consumidor, não apenas no sabor e na qualidade, mas também nos aspectos relacionados à produção dos alimentos,  estimula a crescente adoção e desenvolvimento de tecnologias emergentes, como soluções de rastreabilidade, ingredientes funcionais para a saúde e substituições de produtos animais à base de plantas. Simultaneamente, os consumidores  adotam a digitalização da compra e distribuição de alimentos, que resultou em várias inovações nas plataformas de entrega de kits de comércio eletrônico e refeições enquanto reduzem o desperdício.

A crescente pressão das mudanças nas preferências dos consumidores continua pressionando os operadores históricos do setor. A necessidade de inovação em toda a cadeia de suprimentos de alimentos e bebidas ajudou as foodtech (tecnologia alimentar) a obter, em investimentos de capital, quase US $ 9 bilhões em 2018. As Foodtech superaram as agtech (tecnologia na agricultura) em termos de  investimentos totais ao obter, em 2018, US $ 2,3 bilhões.

No ano passado, globalmente, 390 empresas de foodtech completaram rodadas de financiamento e 522 financiamentos foram fechados por startups da agtech. As cinco empresas de alimentos que mais levantaram capital em 2018 foram Instacart, Swiggy, Meicai, DoorDash e Miss Fresh, que representavam cerca de metade do capital investido no setor. À medida que o setor de tecnologia alimentícia amadurece, espera-se que os investidores continuem a fazer apostas seletivas e exageradas em startups que conseguiram escalar setores como o comércio eletrônico e entrega de kits de refeição ou nas empresas pesadas de pesquisa e desenvolvimento de ingredientes e proteínas alternativas.

Apesar de toda a empolgação e investimento no setor de alimentos, o espaço está lotado de empresas que possuem modelos de negócios relativamente semelhantes, diferenciados pela marca e com relativo sucesso sustentado pela escala e execução por meio da qualidade de serviço ou produto.

A empresa irlandesa de investimentos Finistere Ventures considera que desenvolvimentos tecnológicos verdadeiramente únicos têm sido mais raros. Dos US $ 6,4 bilhões investidos no ano passado, cerca de dois terços foram distribuídos em plataformas de entrega de alimentos ou comércio eletrônico, numa corrida para conquistar o consumidor na busca por alimentos locais mais convenientes, de alta qualidade e qualidade. opções

Fonte:

https://pitchbook.com/news/articles/beyond-the-impossible-the-future-of-foodtech

http://finistere.com/ireland/

Deixe o seu Comentário:

Boletim de notícias

Cadastre-se e receba novidades.