desperdicios

Voltar

Perdas e desperdício de alimentos reduzem sustentabilidade

foto: Instituto Akatu

foto: Instituto Akatu

O pesquisador Marcos Fonseca, da Embrapa Agroindústria de Alimentos (Rio de Janeiro/RJ), abriu a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia na Embrapa Agrobiologia, em Seropédica/RJ, no dia 17 de outubro, falando sobre perdas e desperdício de alimentos. O assunto integrou-se perfeitamente à temática central da SNCT, Ciência que alimenta o Brasil, já que mostra um contraponto e um desafio para a produção de alimentos, ainda que haja aumento da produtividade.

Segundo Fonseca, de tudo o que se produz, aproximadamente 30% não são revertidos em alimentação. “Perda e desperdício são coisas diferentes. A primeira refere-se à perda no processo de produção, pós-colheita, armazenamento e transporte, enquanto o segundo está diretamente relacionado com o consumidor e com hábitos de consumo”, explicou ele. Paralelamente, há a realidade da fome ou da síndrome da fome oculta – que é a carência de certos nutrientes no organismo.

O Brasil saiu do mapa da fome da Organização das Nações Unidas para a Alimentação (FAO) em 2014, o que significa que tem menos de 5% da população em situação de fome. Isso, no entanto, não quer dizer que não haja o problema no País: 3,8% da população ainda não têm acesso à alimentação adequada, ou seja, mais de 7 milhões de pessoas. A redução das perdas e do desperdício não melhoraria esse índice diretamente, pois não implica, necessariamente, na redução da fome, mas é um importante fator econômico. “Haveria maior oferta, redução no preço e mais acesso aos alimentos”, destacou o pesquisador. “Alimento, há. O desafio é fazer chegar a quem precisa.”

De acordo com ele, há medidas simples que podem ser implantadas para minimizar as perdas e o desperdício. “Há dois tipos de perda: a qualitativa, que refere-se ao alimento feio, rejeitado, embora ótimo para consumo; e a quantitativa, que é aquela que acontece nas centrais de abastecimento, onde o que não é vendido acaba ficando por lá mesmo”, contou. No caso das perdas, as dicas referem-se, sobretudo, ao período pós-colheita: fazer colheita cuidadosa, diminuir o calor do campo, selecionar e classificar bem os alimentos, manter o mínimo de movimento da lavoura para a casa de embalagem, aplicar refrigeração adequada e armazenamento compatível, fazer um transporte cuidadoso e manusear minimamente os produtos.
Já no caso específico do desperdício, Fonseca disse que é preciso mudar a cultura entre os consumidores. “Planejar as compras e comprar somente o que for ser consumido, levar sobras alimentares de restaurante para casa, evitar a cultura da fartura e aprender receitas para aproveitamento de partes de alimentos não usadas comumente são medidas simples que já fazem a diferença”, pontuou.

Leia a notícia completa, fonte: Agrolink

Deixe o seu Comentário:

Boletim CI Orgânicos

 

Cadastre seu nome e email, para receber nosso boletim mensal por email.

 

Assine o boletim CI Orgânicos

 

outras seções