Práticas Sustentáveis

Voltar

Os perigos da agricultura industrial

Imagem: Reprodução/Internet

A agricultura industrializada tem transformado as fazendas em fábricas, exigindo o uso de grandes quantidades de água para irrigação e de insumos como fertilizantes sintéticos, pesticidas químicos e combustíveis fósseis para produção de culturas geneticamente modificadas (milho, soja, trigo) e gado (carne, aves, porco), através de meios mecanizados de produção.

Todas essas práticas levam a um sistema insustentável e desatualizado, fortemente dependente de combustíveis fósseis e pesticidas químicos, à custos altamente perigosos. A agricultura industrializada está esgotando nossos solos a níveis tão extremos que especialistas afirmam que, se não forem feitas mudanças, com a adoção de práticas agrícolas mais sustentáveis, teremos apenas cerca de 60 colheitas pela frente.

Outra consequência perigosa dessas práticas tem sido a contaminação do solo, do ar e da água causada pelo uso contínuo de pesticidas. Um estudo recente revelou que 93% dos norte-americanos exibiram resíduos positivos para o glifosato, o herbicida mais utilizado no mundo e que, recentemente, foi classificado pela Organização Mundial de Saúde como um possível agente carcinógeno, capaz de provocar ou estimular o aparecimento de carcinomas ou câncer em um organismo.

Para que essa realidade comece a ser modificada seria necessária uma mudança urgente para práticas de agricultura orgânica, o que poderia preservar a camada superficial do solo, diminuindo a dependência de insumos sintéticos, e até mesmo capturando 100% das emissões de CO2 atuais.

Energia eficiente e uso de água

Existem enormes ganhos a partir da combinação das práticas da agricultura orgânica com as tecnologias do século XXI. Técnicas inovadoras de irrigação, como o uso de sensores sem fio alimentados por energia solar, podem irrigar culturas com extrema precisão, economizando quantidades significativas de água, sem afetar os resultados da produção. Uma outra opção seriam as técnicas de “agricultura seca”, já utilizadas por alguns agricultores na Califórnia. Nessa prática, as plantas são nutridas sem a utilização de água através do uso do teor de água já nelas existente e a densidade de nutrientes em um solo saudável para sustentar as culturas.

Concentrando-se em práticas agrícolas sustentáveis ​​e em uma transição para usos mais inovadores da tecnologia para aumentar a eficiência da água, a agricultura ​​não só poderá sobreviver, como também prosperar, em um futuro onde a água se tornará mais escassa.

Leia o artigo na íntegra em https://techcrunch.com/2017/07/15/a-farm-shouldnt-be-a-factory/

Tradução e adaptação por Jéssica Silvano – CI Orgânicos/OrganicsNet – Sociedade Nacional de Agricultura (SNA)

Veja outras matérias similares:

SNA lança manuais para técnicos e agricultores de orgânicos

Embrapa e Vitae Rural lançam inseticida biológico contra lagarta-do-cartucho

Cuidar das Borboletas: conheça a agricultura natural na região de Campinas

Deixe o seu Comentário:

Boletim CI Orgânicos

 

Cadastre seu nome e email, para receber nosso boletim mensal por email.

 

Assine o boletim CI Orgânicos

 

outras seções