pesquisar

palavra-chave:

arquivo
    novembro 2017
    S T Q Q S S D
    « out    
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    27282930  

Mercado

Voltar

Mel orgânico brasileiro conquista mercados exigentes

Praticamente todo mel orgânico produzido no Brasil é exportado e mais de 70% destinam-se aos Estados Unidos. Alta qualidade, valor agregado e diversidade de sabores foram os apelos que levaram o produto brasileiro a conquistar mercados exigentes, uma lista que também inclui alguns países da Europa, Japão, China, Hong Kong, Argentina, Peru e Uruguai.

“O mel brasileiro é reconhecido no mercado externo pela alta qualidade para exportação, pela variedade, por ser puro e livre de resíduos”, atesta José Milton Dallari, diretor técnico da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA).

Ele destaca que o mel e a cera de abelha entram na composição de produtos veterinários e de medicamentos para uso humano: “Existe ainda o mel verde, o mais valorizado, que é exportado basicamente para o Japão”.

Dallari é produtor de café na região de Serra Negra, na Serra da Mantiqueira, divisa de São Paulo com o Sul de Minas Gerais, onde mantém uma criação de abelhas para a polinização dos cafezais.

“A produção de mel (de café, de eucalipto e silvestre) é pequena: cerca de cem quilos anuais”, informa.

MELHOR MOMENTO PARA O BRASIL

Presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Mel (Abemel), Agenor Sartori Castagna afirma que “a atividade apícola brasileira está vivendo o melhor momento de todos os tempos”. “O preço do mel, acima de três dólares, está muito atraente para exportar.”

Dados da Confederação Brasileira de Apicultura revelam que o número de apicultores aumentou 4,5%, nos últimos dez anos. Embora não haja estatística oficial, a instituição estima que a cadeia produtiva do mel movimente 360 milhões de dólares no Brasil.

De uma produção destinada a atender o consumo doméstico, uma janela de oportunidade surgiu para o Brasil, depois que China e Argentina, maiores exportadores mundiais de mel, tiveram suas exportações embargadas, por causa de problemas sanitários.

“Isso refletiu no aumento dos embarques de mel e subprodutos e favoreceu a apicultura brasileira”, conta o presidente da Abemel.

Segundo ele, a apicultura brasileira tem alto potencial de crescimento e está em evolução: “O mercado externo é comprador, se tivéssemos 40 mil toneladas de mel orgânico exportaríamos todo esse volume”. E acrescenta ainda que algumas indústrias operam com capacidade ociosa.

BALANÇO

O balanço do setor (base de dados 2015 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE), divulgado recentemente pela Abemel, revela que o Brasil produziu 42,2 milhões de toneladas de mel, frente às 37,8 mil toneladas no ano anterior.

Já as exportações, totalizaram 22,2 mil toneladas e receita de US$ 81,7 milhões (base 2015, AliceWeb – Sistema de Análise das Informações de Comércio Exterior, da Secretaria de Comércio Exterior, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior).

Em 2016, os embarques de mel totalizaram 24,2 mil toneladas e apuraram receita de R$ 92 milhões, calcula Castagna.

“A expectativa é muito boa, para 2017, apostamos no aumento das exportações, mas o efeito de La Ninha prenuncia um ano de seca, que poderá afetar a produtividade”, ressalta.

MOVIMENTO CRESCENTE

De acordo com o diretor da SNA José Milton Dallari, há mais de dez anos, produtores de São Paulo, Paraná e Piauí (um dos que possui a melhor estrutura de produção de mel no país) iniciaram um movimento para aprimorar o produto brasileiro.

“A iniciativa tem contribuído para melhorar o controle da qualidade e o brix do mel, além de aprimorar os subprodutos (própolis, geleia real e cera)”, diz.

Em 2010, a Abemel, com o apoio da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), realizou o Planejamento Estratégico Setorial Apícola, um projeto de cinco anos, com o objetivo de organizar o setor e criar uma política nacional apícola.

Castagna informa que o planejamento resultou em um conjunto de diretrizes e projetos estratégicos, com foco na melhoria da produção, da qualidade e da produtividade da apicultura e no aumento das exportações dos produtos apícolas.

Segundo o presidente da Associação, além de mel, a apicultura do Brasil também é referência na produção de cera de abelha, geleia real, pólen e própolis (antibiótico natural, com ação antibacteriana, antifúngica, antioxidante e imunoestimulante).

Outro destaque na atividade apícola é a própolis verde, de alecrim-do-campo, encontrada na Zona da Mata de Minas Gerais e no leste de São Paulo, usada como suplemento alimentar e como medicamento.

BIODIVERSIDADE

Em função da biodiversidade, o mel brasileiro possui uma variedade de cores e sabores. Além do mel de cana-de-açúcar, laranja, café, eucalipto e silvestre, ainda há os de assa-peixe, bracatinga, marmeleiro, capixingui e cipó-uva.

“A atividade apícola é uma aliada da produtividade agrícola e da biodiversidade, graças à capacidade polinizadora das abelhas, o que resulta no aumento da disponibilidade de frutos e sementes para a manutenção de ecossistemas”, ressalta Castagna.

Atualmente a apicultura se concentra em São Paulo, Santa Catarina, Paraná, Rio Grande Sul, Minas Gerais e Piauí. Conforme Dallari, “cada propriedade rural do Brasil tem uma pequena produção. Também há produtores que fazem do mel uma atividade econômica”.

SEGURANÇA ALIMENTAR

Produtores e exportadores de mel e produtos apícolas brasileiros estão buscando atender às exigências do mercado em relação à qualidade e à segurança dos alimentos. Nesse sentido, entre as estratégias utilizadas estão as Boas Práticas de Fabricação; HACCP – Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle; e SAP – Programa de Segurança Alimentar, incluindo o sistema de rastreabilidade do campo ao consumidor.

O Brasil também possui o Programa de Padronização da Cadeia Apícola Nacional, que garante a qualidade dos produtos e processos.

Por equipe SNA/SP

Matéria publicada em 03 de março de 2017 no site da Sociedade Nacional de Agricultura – SNA 

Veja outras matérias similares: 

O cultivo da acerola orgânica para exportação no Ceará

Produção orgânica mais que dobra em três anos no Brasil

Café orgânico produzido em Santa Maria de Jetibá combina qualidade com sustentabilidade

 

Deixe o seu Comentário:

Boletim CI Orgânicos

 

Cadastre seu nome e email, para receber nosso boletim mensal por email.

 

Assine o boletim CI Orgânicos

 

outras seções