pesquisar

palavra-chave:

arquivo
    outubro 2017
    S T Q Q S S D
    « set    
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    3031  

Mercado

Voltar

Alimentos orgânicos enfrentam problema de escala devido ao valor elevado

Foto: Sylvia Wachsner

Em setembro, a Folha realizou o fórum “Agronegócio Sustentável” com o objetivo de discutir os desafios para o desenvolvimento do setor no país. O evento contou com a participação de especialistas em agricultura orgânica que chegaram a seguinte conclusão: para incrementar a escala da produção orgânica, barateando o custo para o consumidor, é necessário que se invista em pesquisas para o desenvolvimento de boas práticas de manejo, políticas públicas de incentivo e na difusão de informação para produtores.

“Nossa experiência mostra que é possível desenvolver a produção em uma escala capaz de gerar boa renda para o produtor”, afirmou o coordenador do grupo Gestor do Arroz Agroecológico, pertencente ao MST, Emerson Giacomelli.

Segundo ele, para atingir essa escala é essencial o desenvolvimento da pesquisa, a ampliação da assistência técnica e a concessão de investimentos governamentais para o produtor, como investimentos e crédito facilitado.

Para Sylvia Wachsner, coordenadora do Centro de Inteligência em Orgânicos da Sociedade Nacional de Agricultura, pesquisas indicam que o consumidor, preocupado com a saúde, está disposto a pagar mais pelos orgânicos, produtos que são cultivados sem agrotóxicos e fertilizantes químicos e que chegam a custar cerca de 30% a mais que os produtos da agricultura convencional.

Um exemplo disso é o Pnae (Programa Nacional de Alimentação Escolar) que prioriza a compra de alimentos orgânicos para compor a merenda escolar e paga esses 30% a mais ao agricultor, afirma a coordenadora do CI Orgânicos. Ainda segundo Sylvia, tomate, ovo e alface são alimentos com culturas orgânicas mais desenvolvidas e que tem preços que, em alguns lugares, já competem com o valor dos convencionais.

De olho nessa tendência de mercado onde o consumidor tem se mostrado disposto a pagar mais por um produto diferenciado, a Nestlé decidiu investir na produção de leite orgânico (saiba mais aqui). “Temos um produtor que já é totalmente orgânico e estamos convertendo outros 26”, contou Taissara Martins, gerente da área de Qualidade de Leite Fresco e Desenvolvimento de Fornecedores da Nestlé. A empresa conta, atualmente, com mais de 4.000 fornecedores de leite.

O Brasil é o primeiro país no qual a multinacional resolveu investir em leite orgânico. “É preciso deixar a vaca solta no pasto, tratá-la com homeopatia, alimentá-la com ração cultivada sem agrotóxicos”, explicou Taissara Martins.

Emerson Giacomelli falou sobre a importância de se garantir renda ao produtor orgânico. “Não adianta a pessoa ter princípios, amor à causa, se ela não consegue pagar as contas”, afirmou.

Fonte: Folha de São Paulo

Veja outras matérias similares:

Coordenadora do CI Orgânicos fala sobre os desafios da produção orgânica

Consumidor aceita pagar mais pelos orgânicos, diz coordenadora da SNA

Conferência Internacional de arroz orgânico será realizada no Brasil em 2018

Deixe o seu Comentário:

Boletim CI Orgânicos

 

Cadastre seu nome e email, para receber nosso boletim mensal por email.

 

Assine o boletim CI Orgânicos

 

outras seções